Antes de começar de fato a programação, é necessário determinar a configuração do sistema. Isto inclui endereçamento, configuração I/O, tamanho do rack, tamanho da memória, etc.

Para fazer o endereçamento do sistema, primeiramente devemos verificar o número de pontos que cada módulo ocupa no rack. Este dado se encontra nos manuais de cada módulo. Os módulos da Mitsubishi podem ocupar 16, 32 ou 64 pontos.

Há regras importantes para alocação do endereçamento de memória

1) Slot 0 do rack principal começa sempre com o endereço 0 (zero);

2) Slots vazios ocupam 16 pontos;

3) A CPU reconhece automaticamente o tamanho dos racks.

Depois de selecionar todos os componentes do sistema, é necessário alocar o número de pontos dos módulos escolhidos nos racks da CPU e, eventualmente, de uma expansão.

Escreve-se numa folha o modelo dos módulos selecionados e os slots onde for mais conveniente alocá-los. É usual, por questão organizacional, manter módulos de entrada, saídas e especiais em grupos para facilitar a instalação e a programação.

Depois de alocados os módulos nos slots, será preciso calcular o número de entradas e saídas do sistema. A escala de contagem vai de 00 a FF (hexadecimal), partindo do módulo no slot0, seguindo sequencialmente até o último módulo no rack da CPU e continua no rack de expansão, caso haja algum. Note que alguns módulos especiais podem ocupar 32 pontos de cada slot ou mais. A seguir, alguns exemplos de configuração de número de pontos.

 

Slot 0-0: neste slot está instalado um módulo de entrada (X). O endereço inicial é 0 (zero), portanto, o dispositivo associado a este módulo inicia-se no endereço X0. É um módulo que ocupa 16 pontos, assim sendo, adiciona-se F (hexadecimal) ao endereço inicial e obtemos o intervalo de endereço designado a este módulo no slot 0-0: X0 ~ XF.

Slot 0-1: neste slot está instalado um módulo de entrada (X). O endereço inicial é o final do endereço do slot0 somando 1, portanto, X10. É um módulo de 32 pontos, assim sendo, adiciona-se 1F (hexadecimal) ao endereço inicial X10 e obtemos o intervalo de endereço designado a este módulo no slot 0-1: X10 ~ X2F.

Slot 0-2: neste slot está instalado um módulo de saída (Y). O endereço inicial é o final do endereço do slot1 somando 1, portanto, Y30. É um módulo de 16 pontos, assim sendo, adiciona-se F (hexadecimal) ao endereço inicial Y30 e obtemos o intervalo de endereço designado a este módulo no slot 0-2: Y30 ~ X3F.

O endereçamento do rack principal será o mesmo do exemplo 1. Como o endereço final do slot2 é Y3F, use o 40 como o endereço inicial do rack de expansão do exemplo.

Rack1 de Expansão

Slot 1-0: neste slot está instalado um módulo de entrada (X) e inicia com endereço 40, portanto, o endereço inicial será X40. É um módulo de 16 pontos, assim sendo, adiciona-se F (hexadecimal) ao endereço inicial X40 e obtemos o intervalo de endereço designado a este módulo no slot 1-0: X40 ~ X4F

Slot 1-1: neste slot está instalado um módulo de saída (Y) e inicia com endereço 50, portanto, o endereço inicial será Y50. É um módulo de 32 pontos, assim sendo, adiciona-se 1F (hexadecimal) ao endereço inicial Y50 e obtemos o intervalo de endereço designado a este módulo no slot 1-1: Y50 ~ Y6F

Slot 1-2: neste slot está instalado um módulo de entrada (X) e inicia com endereço 70, portanto, o endereço inicial será X70. É um módulo de 16 pontos, assim sendo, adiciona-se F (hexadecimal) ao endereço inicial X70 e obtemos o intervalo de endereço designado a este módulo no slot 1-2: X70 ~ X7F